Seja Bem Vindo!
Sky Esquerdo
Sky Direito

Concurso do Itamaraty para diplomata é suspeito de selecionar candidatos por “carta marcada”

Banca responsável pela prova foi escolhida sem licitação por Ernesto Araújo, substituindo a Cebraspe/Unb, que organizava o concurso desde 1993

O concurso do Ministério de Relações Exteriores para carreira de diplomata é acusado por candidatos de favorecer alunos na seleção. O incomodo veio à tona quando as provas da segunda fase divulgaram em suas folhas de resposta número de inscrição de todos os candidatos, assim como os locais de prova. Portanto, a transparência das informações permitiram que a banca avaliadora tivesse acesso à identidade de cada participante, comprometendo a isonomia do processo.

O processo seletivo, chamado de Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD), passou a ser realizado neste ano pelo Instituto Rio Branco (IRBr), com a colaboração do Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades). Desde 1993, o concurso ficava nas mãos do Cebraspe-UnB.

A troca foi feita a pedido do ministro Ernesto Araújo e não houve licitação no processo. Substituição surpreendeu candidatos e professores de cursos preparatórios para concursos, já que a nova organizadora se envolveu recentemente em uma polêmica na prova da Polícia Militar do DF.

Após denúncias, o Iades se posicionou sobre o ocorrido e reconheceu as irregularidades. Como resposta, o Instituto informou nesta terça-feira (26) que deverão ser realizadas novas provas, avaliadas por nova banca examinadora. A data dos exames serão divulgados pelo Instituto Rio Branco e publicadas no Diário Oficial.

Polêmicas

Conforme revelado pelo Brasil de Fato, em maio de 2018, o Iades foi alvo de polêmicas ao organizar um concurso para ingresso na Polícia Militar do Distrito Federal. As possíveis irregularidades foram, à época, encaminhadas para a Polícia Civil do DF, para o Ministério Público e para Corregedoria da Polícia Militar.

A comissão apontou que candidatos entraram nos locais de prova após o horário estabelecido no edital, quedas de energia em lugares nos quais eram realizados o certame e até o uso de celulares por parte de pessoas que realizavam o exame.

Através da Revista Forum

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.